Pesquisa personalizada

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2009

Vinte Anos

Vinte Anos

Delasnieve Daspet



Anos 70....

Flor de vinte anos,

Turbulentos anos,

País subjugado,

Censura explícita,

Período sem copas,

Amargas derrotas!





Jornais com receitas ou poemas,

Universitários reivindicando;

Leila Diniz incomodava com a sua alegria

Sem pudor, sem tabus.



Topetes, calças boca de sino,

Cuba livre, hi-fi, mini-saias,

Brilhantina e os embalos de John Travolta.



Cenas alternativas do underground,

Calça lee e jaquetas de franjas

Gritávamos contra o sistema...





Jemmy Hendrix e woodstock,

Beatles, Rolling Stones, Chico,

Caetano, Bob Dylan, Milton

Uma paranóia total!



Relembro e que nostalgia que dá...

Reuniões escondidas,

Cheirando subversão...



Viver todos os momentos...

No ar o hippie jeito de ser

Que ainda hoje perdura

- Paz e Amor -

Na distância que encolhe os dias!

DD_17-02-09-Campo Grande-MS

Um comentário:

Marcelo Torca disse...

Saudações! Um poema para refletir sobre os nossos dias, afinal, que liberdade vivemos? Onde está a diversidade de programas na tv? No tempo de censura criava-se muito mais do que hoje, no lugar dos poemas que era uma forma de criticar a matéria censurada, hoje há informação que não leva a nada. Onde foi parar a ousadia? Onde foi parar a intelectualidade? De que adianta falar que vivemos em liberdade se a opressão ainda não foi desmanchada? Ainda bem que temos este poema para ajudar a lembrar o que temos que fazer, ajudar na reflexão do caminho a seguir, na construção de um país melhor. Abraços a Delasnieve Daspet.