Pesquisa personalizada

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2009

Vinte Anos

Vinte Anos

Delasnieve Daspet



Anos 70....

Flor de vinte anos,

Turbulentos anos,

País subjugado,

Censura explícita,

Período sem copas,

Amargas derrotas!





Jornais com receitas ou poemas,

Universitários reivindicando;

Leila Diniz incomodava com a sua alegria

Sem pudor, sem tabus.



Topetes, calças boca de sino,

Cuba livre, hi-fi, mini-saias,

Brilhantina e os embalos de John Travolta.



Cenas alternativas do underground,

Calça lee e jaquetas de franjas

Gritávamos contra o sistema...





Jemmy Hendrix e woodstock,

Beatles, Rolling Stones, Chico,

Caetano, Bob Dylan, Milton

Uma paranóia total!



Relembro e que nostalgia que dá...

Reuniões escondidas,

Cheirando subversão...



Viver todos os momentos...

No ar o hippie jeito de ser

Que ainda hoje perdura

- Paz e Amor -

Na distância que encolhe os dias!

DD_17-02-09-Campo Grande-MS

sexta-feira, 6 de fevereiro de 2009

FIM DE CASO



Fim de caso.
Delasnieve Daspet

Acabou.
Não me perguntes o porquê.
Não! Não te atormentes!
Acabou apenas,
Nada mais!

Quando quiseres lembrar-me
Bloqueie.
Finja que morri.
Faça de minha lembrança
A nuvem branca que
Ao longe se vê!

Melhor!
Me olhe como a fumaça
Que ao longe passa
E se dessipa no ar!

A comédia é finda.
Acabou sem aplausos.
Sem platéia.
Sem final.
Melancolicamente o pano caiu!

E...ficou o nada!
O vazio do tempo.
Que enregela a alma.
Que caminha célere...
Para onde?

Ficou a tristeza.
O Inverno.
E já não tenho a chama interna
Que me faz forte,
Claudico entro o concreto e o abstrato
Sem razão!

Ficamos com as sobras.
O beijo amargo.
O desamparo.
A mão pendendo no vazio.
O corpo gelado.
Nem côncavo. Nem convexo.
A gota de lágrima
Que se perdeu
Nas entranhas da terra.

Final de caso.
Nos perdemos como
Uma coisa sem valor.
*DD_ 28-8-2001_Campo Grande MS

Endereço da Casa Museu da esritora Maria José Fraqueza


Exibir mapa ampliado

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2009

A POESIA É A VOZ DO SENTIMENTO ARRANCADA AO CORAÇÃO







Esta é a citação na entrevista concedida por Maria José Fraqueza, ao entrevistador da revista Algarve Mais, do dia 1 de Fevereiro. No decorrer da entrevista vejam-se algumas fotografias da CASA MUSEU MARIA JOSÉ FRAQUEZA